Vida de Estudo Leituras, Resenhas e Reflexões

Como Ler Livros – Resenha

0 Flares Pin It Share 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Google+ 0 Twitter 0 0 Flares ×

O Autor

O professor, teórico da educação e filósofo norte-americano, Mortimer J. Adler (1902-2001) nasceu em Nova York, no seio de uma família judia.

Frequentou a Universidade de Columbia (Columbia University) para melhorar sua escrita. Onde teve contato com obras de Aristóteles, Santo Tomás de Aquino, John Locke, John Stuart Mill e outros.

Não cumpriu os requisitos mínimos para completar sua graduação, pois não gostava de educação física. No entanto, a universidade o concedeu o título de doutor honorário pela qualidade de sua escrita.

Assim, na década de 1920, Adler tornou-se professor de psicologia, escrevendo vários livros sobre filosofia e religião.

Em suas obras evitava linguagem acadêmica a fim de fazer com que seus pensamentos fossem acessíveis a qualquer tipo de leitor, e não apenas a especialistas e acadêmicos.

 

A Arte de Ler

Em Didascálicon (1127), Hugo de São Vitor resume em três, os problemas fundamentais sobre a leitura: O que ler; em que sequência; e como ler.

No livro A vida intelectual (1920), Antonin-Gilbert Sertillanges divide a leitura em 4 tipos: para se entreter, de informação, espiritual e de formação.

Em Como Ler Livros, publicado originalmente em 1940, Mortimer J. Adler nos instiga a querer ler melhor. Defensor do estilo clássico da educação, ele critica a maneira como é praticado o ensino atualmente. Com a universalização da educação, perdeu-se muito em qualidade, dizia.

Portanto “Como Ler Livros” é, essencialmente, um guia de leitura, ou como o autor prefere: guia da “arte de ler bons livros com o objetivo de entende-los”.

Para Adler são quatro os níveis de leitura: Elementar, Inspecional, Analítica e Sintópica. Os níveis de leitura são complementares, ou seja, a leitura analítica contém a inspecional e assim por diante. Os quatro níveis de leitura são abordados nas quatro partes do livro.

O Livro

Na primeira parte do livro Adler discorre sobre a importante da leitura ativa e sua contribuição para a buscar de conhecimento. Nos ensina (ou sugere) que escolhamos com cuidado o que ler, pois um autor, ali representado por um livro, dever “ser superior” a você para que tenha algo a lhe ensinar. Por outro lado, nessa relação autor-leitor, o leitor que domina “a arte de ler” se eleva a um nível superior de conhecimento. Nesta parte do livro Adler trata de dois (dos quatro) níveis de leituras propostos por ele, são elas:

  • A leitura elementar, que se trata do nível alcançado por todos os alfabetizados, ou seja, todos que concluíram o ensino fundamental;
  • A leitura inspecional, é uma leitura rápida para conhecer o livro afim de decidir, se o livro em questão merece ser lido com mais profundidade. Este nível é realizado em duas etapas: inicialmente uma pré-leitura (lê-se a folha de rosto, o prefácio, sumário, índice remissivo, contracapa e sobrecapa) e depois uma leitura superficial (folhei o livro rapidamente, se atentando aos capítulos que pareçam mais centrais ao tema proposto).

 

A Leitura Analítica

A segunda parte do livro é toda dedicada ao terceiro nível de leitura, a leitura analítica. O autor critica o modelo de ensino atual, por não continuar ensinando a “arte da leitura” após a alfabetização. Devido a isso temos no Ensino Médio (e nas Universidades) leitores medianos, que ainda leem no nível elementar.

A leitura analítica deve ser dedicada àqueles livros que trarão crescimento intelectual. E exigirá do leitor maior atenção e mais tempo à leitura. O objetivo é compreender a “mensagem” que o autor se propôs a passar. Somente com a compreensão desta “mensagem” do autor o leitor poderá concordar, discordar ou até mesmo criticá-lo.

 

Classificação das obras literárias

Classificação das obras literárias, segundo Adler

Classificação das obras literárias, segundo Adler

 

Em linhas gerais são sete, as regras da leitura analítica:

  1. Que tipo de livro está lendo. Classifique-o como: é uma obra expositiva – história, filosofia; é uma literatura imaginativa – poema, peça, um épico, romance, ficção; ou é um livro prático.
  2. Expresse a unidade do livro em uma só frase ou em um parágrafo curto. O livro como um todo é sobre o quê?
  3. Exponha as partes principais do livro e mostre como elas estão ordenadas em relação ao todo.
  4. Defina o problema, ou os problemas, que o autor busca resolver.
  5. Encontre as palavras importantes e, por meio delas, entre em acordo com o autor.
  6. Marque as frases mais importantes do livro e descubra as proposições que elas contêm.
  7. Localize ou formule os argumentos básicos do livro com base nas conexões entre frases.

Adler ensina como cumprir cada uma dessas regras, usando clássicos da literatura ocidental para exemplificar seus conceitos, obras como as de: Homero (século IX a.C.), Sófocles, Platão, Aristóteles… até Charles Darwin, Karl Marx, Albert Einstein e muitos outros.

Na terceira parte do livro, Adler ensina “Como Ler Livros” de assuntos específicos. Discorre em detalhes como ler livros práticos, imaginativos, de história, de ciências e matemática, ciências sociais e filosofia. Enfatiza os aspectos peculiares que devem ser atentados por cada tipo livro.

 

A Leitura Sintópica

A quarta e última parte é dedicada a leitura Sintópica, “Os fins últimos da leitura”. Tem como objetivo a leitura analítica de dois ou mais livros, identificando os pontos de vistas de diferentes autores.

É dividida em duas fases:

  1. Preparação para a leitura Sintópica.
    1. Preparar uma bibliografia provisória sobre o assunto lançando mão de bibliotecas, orientadores e bibliografias de livros;
    2. Inspecione todos os livros da bibliografia provisória a fim de verificar quais têm a ver com o assunto pretendido.
  2. Litura Sintópica da bibliografia resumida na Fase 1.
    1. Inspecione os livros na biblioteca resumida
    2. Forje um consenso entre os autores por meio da construção de uma terminologia neutra do assunto;
    3. Estabeleça uma série de proposições neutras para todos os autores por meio de uma série de perguntas, que os assuntos respondem;
    4. Delimite as divergências, grande e pequenas, demarcando as respostas contrárias dos autores ás diversas perguntas.
    5. Analise a discussão ordenando as perguntas e divergências de modo a esclarecer ao máximo o assunto. As divergências mais gerias devem vir antes das menos gerais, e as relações entre as divergências têm de ser indicadas com clareza.

Os anexos A e B trazem, respectivamente, uma “lista de leituras recomentadas”, leituras essenciais para quem busca crescimento intelectual, segundo Adler, e “Exercícios e testes dos quatro níveis de leitura”, também baseados em grandes clássicos da literatura ocidental.

Portanto, leiam “Como Ler Livros”. Esta resenha não substitui, nem de longe, a experiência da leitura da obra.

0 Flares Pin It Share 0 Facebook 0 LinkedIn 0 Google+ 0 Twitter 0 0 Flares ×